Entre o medo e a conversão: reflexões sobre a peste de Cipriano a partir dos escritos de Cipriano de Cartago e Dionísio de Alexandria (249 – 265 d. C.).

Autores

  • Ludimila Caliman Campos UFES e FACELI
  • Carolline Soares UFES

DOI:

https://doi.org/10.24858/rdm.v0i19.393

Palavras-chave:

Império Romano. Cristianismo. Peste de Cipriano, Cipriano de Cartago, Dionísio de Alexandria.

Resumo

O presente artigo visa analisar a chamada “Peste de Cipriano” que se manifestou no Império Romano entre os anos 249 e 265 d.C. Para tanto, selecionamos duas fontes, a saber: a obra De Mortalitate, escrita pelo bispo Cipriano de Cartago e uma carta intitulada As Alexandrinos, escrita pelo bispo Dionísio de Alexandria. Assim como a Covid-19 tem se apresentado, a Peste de Cipriano foi um catalizador para diversas transformações culturais, políticas, sociais e, sobretudo, religiosas no Império Romano. Sobre esse assunto, apesar de as perdas humanas terem gerado um grande impacto sobre as comunidades cristãs, a resposta da ekklesia diante da epidemia se revelou determinante para a ascensão do cristianismo enquanto religião do Império.

Biografia do Autor

Ludimila Caliman Campos, UFES e FACELI

Professora e pesquisadora nas áreas de História, Arqueologia, Antropologia e Educação, com ênfase em História Antiga e Medieval, História e Etno-história Indígena e Afrobrasileira, Arqueologia Pública, Educação Patrimonial e Antropologia Cultural. Doutora (2015) e mestre (2011) em História Social das Relações Políticas pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), realizou um estágio sanduíche de doutorado na École de hautes études en sciences sociales (EHESS), Paris, entre 2012 e 2013. Ademais, possui graduação em História (UFES) e Artes Visuais (UNIMES), além de especialização em Arte e Educação pelo Centro de Estudos Sociais Aplicados (CESAP). A Dra. Ludimila Caliman é fluente em inglês e francês, conta com mais de 15 artigos publicados em revistas acadêmicas e livros, autora de um livro didático publicado em 2019 e foi docente na Ufes nos cursos de História e Letras. Atua como parecerista em diversas revistas e consultora externa para avaliação de projetos do Programa Pós-Graduação em História (UFES), nível mestrado e doutorado. Orientou cerca de 20 alunos durante sua trajetória acadêmica, além de vários trabalhos como coorientadora. Atualmente é professora titular e pesquisadora concursada da Faculdade de Ensino Superior de Linhares (Faceli), professora de História concursada pela SEDU, e colaboradora nacional do Laboratório de Estudos sobre o Império Romano (LEIR/USP). É ainda membro Conselho Superior (Consup) da Faculdade de Ensino Superior de Linhares (Faceli).

Referências

BAGNALL, R. S. Religious Conversion and Onomastic Change. BASP 19, 1982, p. 105-124.

CAMPOS, J. Introdução. In: CIPRIANO DE CARTAGO. Cartas e tratados. Madrid: BAC, 1964.

CIPRIANO DE CARTAGO. Cartas e tratados. Madrid: BAC, 1964.

DELUMEAU, J. História do medo no Ocidente: 1300-1800. São Paulo: Cia. das Letras, 2009.

DIONÍSIO DE ALEXANDRIA. Letters and Treatises. Translated by C. L. Feltoe. Cambridge: Cambridge University Press: 2009.

FOX, R. L. Pagans and Christians. New York: Harper Collins, 1988.

GRUBER. A. Covid-19: o que se sabe sobre a origem da doença. Jornal da USP. Disponível em: https://jornal.usp.br/artigos/covid2-o-que-se-sabe-sobre-a-origem-da-doenca/ Acesso em: 14 de jun. 2020.

HARPER, K. People, Plagues, and Prices in the Roman World: The Evidence from Egypt. The Journal of Economic History. v. 76, n.3. 2016.

HORTON, Robin. African Convertion. Africa 41. Cambridge University Press, p. 85-109, 1971.

MAUSS, M. Ensaio sobre a dádiva. In: MAUSS, M. Sociologia e antropologia. Rio de Janeiro: Cosac & Naify, 2003.

NOGUEIRA, Carlos Roberto F. O diabo no imaginário cristão. São Paulo: Ática, 1986.

RETIEF, F., P. CILLIERS, L. Epidemics of the Roman Empire. Original Article 90 (2000): 269, 2014.

ROBERTS, A.; DONALDSON, J. The ante-nicene christian library. Edinburgh: T&T Clark, 2009.

RUBENSON, S. Asceticism and monasticism, I: Eastern. Cambridge History of Christianity, v. 2. New York: Cambridge University Press, 2008.

SABBATANI, S; FIORINO, S. La peste antonina e il declino dell'Impero Romano. Ruolo della guerra partica e della guerra marcomannica tra il 164 e il 182 d.c. nella diffusione del contagio. Infez Med 17(4), p. 261-75, 2009.

SALCEDO GÓMEZ, R. S. El corpus epistolar de Cipriano de Cartago (249-258): estructura, composición e cronología. Tese de doutorado. Programa doctorado: “Mediterránia: Prehistória i Món Antic. Departament de Prehistória, História Antiga i Arqueologia, Facultat de Geografia i História, Universitat de Barcelona, 2002.

SMITH, I. M. The Contributions of St. Cyprian: Perspectives on Epidemiology and Early Christianity. Young Historians Conference, v. 4, 2014.

SOARES, C. S. Decio restitutor sacrorum: el testimonio de Cipriano de Cartago sobre las medidas persecutórias de Decio. In: LAHAN COHEN, R. (Ed.). Perspectivas Interdisciplinarias sobre el Mundo Grecolatino. Buenos Aires: Rhesis, 2017, p. 311-318.

SOARES, C. S. Separando a palha do bom grão: autoridade episcopal e disciplina eclesiástica em Cartago segundo o testemunho de Cipriano (século III d.C.). Tese (Doutorado em História) - Programa de Pós-Graduação em História Social das Relações Políticas, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2016, 311p.

SOARES, C. S. O gênero epistolar na Antiguidade: a importância das Cartas de Cipriano para a História do cristianismo norte africano (século III d.C.). História e Cultura, v. 2, n. 3, p. 199-215, 2013.

TILLEY, M. The Ascetic Body and the (Un)Making of the World of the Martyr. Journal of the American Academy of Religion. Oxford University Press, v. 59, n. 3, 1991, p. 467-479.

TUCÍDIDES. História da Guerra do Peloponeso. Livro II. 3ª ed. Tradução de Mario da Gama Kury. Brasília: Editora da UnB, 1987.

Downloads

Publicado

14/12/2020

Como Citar

Campos, L. C., & Soares, C. (2020). Entre o medo e a conversão: reflexões sobre a peste de Cipriano a partir dos escritos de Cipriano de Cartago e Dionísio de Alexandria (249 – 265 d. C.). Revista Diálogos Mediterrânicos, (19), 99–109. https://doi.org/10.24858/rdm.v0i19.393